Exibição de luxo de Moçambique aniquila esperanças da Argélia

17 de Setembro 2011, 11:51

Uma exibição a todos os títulos espectacular esteve na origem da vitória de Moçambique diante da Argélia por 68-45 e consequente garantia da presença na partida da final e de atribuição da medalha de ouro nos Décimos Jogos Africanos Maputo 2011.

A diferença de 23 pontos espelha as facilidades que Moçambique teve para derrotar a Argélia, numa partida em que o combinado da casa chegou a atingir 24 pontos de diferença e esteve na liderança do marcador ao longo de 33:47 minutos, contra 2:53 da Argélia.

A Argélia entrou muito bem na partida pertencendo a ela os primeiros dois pontos do encontro e a liderança no marcador nos primeiros cinco minutos (6-4). Porem, Iñaki Garcia mandou os seus pupilos imprimirem uma outra dinâmica na partida que permitiu terminar o primeiro período em vantagem de cinco pontos, ou seja 13-8.

Nos segundos dez minutos a posição um, a de armador de jogo, foi ocupada por Pio Matos Júnior e o jogo de Moçambique perdeu alguma fluidez, mas rapidamente o banco técnico apercebeu-se dessa situação lançando em campo o base-armador Samora Mucavel que entrou bem para a partida, atirando dois triplos que o permitiram ganhar confiança.

Com uma defesa pressionante no seu meio-campo os anfitriões baralhavam o esquema ofensivo dos forasteiros que graças à sua frieza e calculismo conseguiam anotar alguns lançamentos da linha dos três pontos. No entanto a primeira parte acabou terminando com uma vantagem de 9 pontos, ou seja 30-21 para Moçambique.

Para a segunda parte Iñaki  mandou o seu cinco apertar na defesa e o excelente trabalho defensivo resultou em apenas dois pontos marcados pela Argélia em 5:13 minutos do terceiro período, chegando a equipa da casa a atingir uma vantagem de 17 pontos. O desacerto dos argelinos e a falta de espaço dada à sua melhor unidade M Harat, complicou as acções ofensivas dos argelinos que no terceiro período anotaram apenas nove pontos contra nove de Moçambique, colocando o resultado em 45-30.

No início do quarto período Moçambique alargou a vantagem para 18 pontos e a festa foi total na catedral do básquete da Pérola do Índico, tendo em conta que praticamente a meia-final começou a ficar decidida, tendo em conta a excelente prestação defensiva da equipa da casa que não dava qualquer hipótese ao adversário de aproximar-se no marcador. E no final confirmou-se a qualificação de Moçambique para a final com o resultado de 68-45.

Numa partida em que Moçambique esteve bem colectivamente, Octávio Magoliço foi o cestinha do jogo com 14 pontos, cinco ressaltos (3 ofensivos e 2 defensivos), bem secundado pelo extremo-base Fernando Manjate que anotou 13 pontos e capturou cinco ressaltos (2 ofensivos e 3 defensivos) e fez ainda três assistências.

Alfredo Lituri (Texto) e Sérgio Costa (Foto)

SAPO

Comentários



Banca de Jornais

Votação